Capítulo 12

Ele me seduziu na cama e em todos os momentos em que não estávamos nela. Era nisso que meu corpo havia se viciado: no desejo dele por mim. Não saberia descrever um amor mais profundo do que o que ele me apresentava.

No dia seguinte, saio cedo para o trabalho porque tenho uma reunião com o dono da agência sobre uma nova conta que ganhamos, a conta da Zeedy, uma loja fashion de roupas femininas. A caminho do trabalho, resolvo olhar meu celular para checar meus e-mails. Acho que o efeito dos remédios me deixa um pouco distraída e, quando me dou conta, estou quase ultrapassando um sinal vermelho. Piso no freio bruscamente e o carro faz aquele barulho estridente de rodas queimando no asfalto. O celular cai embaixo do banco e meu rosto quase bate no volante. Refaço-me do susto e busco o meu celular. Depois que o encontro, levanto a cabeça e vejo a moça ao meu lado no banco. Levo mais um susto, dessa vez maior ainda, e fico completamente paralisada. Nunca a tinha visto com tamanha perfeição na minha frente. Parece uma pessoa de verdade, só que está um pouco transparente. Os carros atrás de mim começam a buzinar e, antes de sair com o carro, vejo-a soletrar o nome “Kauffmann”. Olho para a frente e, em um segundo, ela não está mais lá.

Para continuar a leitura acesse:

Próxima leitura -> Capítulo 13

***

Trilha Sonora: Thinking Out Loud – Ed Sheeran

Deixe uma resposta