Capítulo 8

Porque o que veio a esse mundo de um jeito, minha filha, a esse retornará; da mesma forma seus frutos, e os frutos dos seus frutos. Somos todos frutos de uma mesma árvore e dela não escapamos

Depois de penetrarem a vergonha de Maria Eugênia com toda a força possível, os rapazes viris não se contentaram simplesmente com gozo alentador, preferiram algo mais visceral. A dor em Maria Eugênia a faria mais atrativa para o cortejo de imprestáveis criaturas que não se importavam com a fartura de um banquete, se este não viesse acompanhado do deleite da aflição. Sentiram desejo de machucá-la. E machucaram. Penetraram-na por trás inúmeras vezes, tantas quanto conseguiram. Beijaram seu rabo com vontade, ao mesmo tempo em que insistiam em feri-lo com impetuosidade. Foram cruéis ao colocá-la sobre o mar de lama fétida que esvaía dos porcos. Mais cruéis ainda se tornaram quando ofereceram seu banquete ao animal de quatro patas que ali assistia ao espetáculo bárbaro, contorcendo-se com igual avidez que os exemplares da raça humana.

Para continuar a leitura acesse:

Próxima leitura -> Capítulo 9

***

Trilha Sonora: Carnavália – Tribalistas

Deixe uma resposta