Capítulo 35

Observo as ondas do mar quebrarem fortes na areia fofa que as acomoda com compaixão e presteza. Penso nesse infinito negro que toca a superfície com toda a força que lhe urge e entendo ser mais importante o chão que se forma a partir deste toque extremo. Entendo que para onde quer que eu olhe só vou enxergar desespero e tristeza, porque sou feita disso: de tudo o que é vil e profano.

Voltando à Anna Lara – (Ainda na Festa do Agnaldo…)

De repente, vejo um carro se aproximar do edifício. É o carro do Jota! Ele estaciona de qualquer forma e entra rápido no prédio. Desço correndo as escadas para encontrá-lo e saber, finalmente, o que aconteceu com ele.

Para continuar a leitura acesse:

Próxima Leitura -> Capítulo 36

***

Trilha Sonora: Anjos – O Rappa

Deixe uma resposta